Alojamento de Sites e Registo de Domínios
Terrosos, in Saga dos Perplexos 3 – Ao pé do fogo
Terrosos, in Saga dos Perplexos 3 – Ao pé do fogo

Terrosos

 

Tem dias, na seca mais ferroante, em que a claridade é tanta que o alumiado rasante faz um alumbramento. Pavor na claridão. Visagens do não existido. São tempos dificultosos em que a fome e a sede instigam a dor que se reveste de sofrimento e desemboca crua em desesperos. Dói, siô, de vê o que os ói num devia de zoiá. Ahhh! Alembrançar as beiras de estradas desenfeitadas com os mortos retirantes, para sempre arretirantados da vida. Corpinhos de crianças que mais dão parecê de esqueletos... Quem vê isso, vê o inferno em vida, na terra, com juízo final envindo por de antecipado.

 

Ééééé! Avigie, siô moço... Seca e miséria, por estas bandas... A sofrência arretada não é coisa de ouvir falar. No contado, mormente agora faço, por demais se perde de aflição. O sofrê se acoita por detrás do palavrado. O agoniamento de quem, sem arrimo no mundo, topô cum isso é coisa por demais adistanciada do proseado... Só vivendo nela é que se pode entendê o supetão de vida se esbaforindo num bafo de morte. Só vendo, dia empós dia, o verde se esmirrando e o terroso se adonando de tudo. É espichá o oiá triste de desamarguras em riba do pé de pau esgarranchado e ´maginá que em antes era verde e impava ao vento do Aracati. A ressequidão da terra se trespassa para o dentro dos viventes de meu Deus e é ao Deus dará que rumorejam suas rezas enquanto esperam a morte em agonia lenta. É repuxo de endoidecê. Na seca, a terra se abre em chamas dentro do coração do vivente, do retirante que sai bolando por estes descaminhos, sem rumo ou prumo... Um magote de povo endoidecido, botando os ói em riba das desgraças suas e alheias. É muito de oiá por inteiro. Cabra que teve sustança, estatelado, sem mais força no corpo, tendo que vê os filhinhos se finando, sem um bocado, mesmo de terra, pra socá na boca. Famílias inteiras se estropiando, morrendo como mosca em... Hã! Ahum! Aquela foi a pió de todas... Mais da metade do povo morreu nela. Ah! Hum! As histór´as... Sei mais de cento delas... Não... não... Eu era muito menino... Era destaludado e nem sei a cuma s´escapei. Meu pai contô e arrecontô os casoados... Pai, Quelé... de Índio ´pelidado. Hã! Tinha parecença cum índio. Era, talqualzin. Aquilo, a seca, boliu com os nervos lá dele... Vevia proseando sobre aquela seca, a cumo que nóis quase se lasca. A cumo o siô-padrim Pedro Isgorogota adjutorô nóis... A cumo ele deu de aparecê e leva nóis tudo pra casa grande e lá arrebatá nóis das tramas da morte. Ele, o Pedro? É dúvida? Era um homem santo... sem em nunca dizê uma reza, pois que rezava nos entranhados lá dele. Tinha coração mais maió que todo este sertão de lonjuras e perdimentos. Era... Era cumo que um pai poderoso, que era homem de valô. Foi... Antão? Era cheio de bondades, mas tamém quando s´espritava nos couros fazia o mundo tremer. Ave Maria, enfrentá ele em tempo de raivas! A seca... Apois... Tem dias, na seca mais ferroante, em que a claridade é tanta que o alumiado rasante faz um alumbramento. Pavor na claridão. Visagens do não existido. São tempos dificultosos em que a fome e a sede desaumenta a dor que se reveste de sofrimento e desemboca crua em desesperos. Dói, siô, de vê o que os ói num devia de zoiá. Ahhh! Alembrançar as beiras de estradas desenfeitadas com os mortos retirantes, para sempre arretirantados da vida. Corpinhos de crianças que mais dão parecê de esqueletos... Anjinhos espaventosos, que são... Quem vê isso, vê o inferno em vida, na terra, com juízo final envindo por de antecipado. Isso amolenga as esperança, mas retempera a dureza dos que escapolem da morte. E nesse frege desgunvernado, tem inda magote de enricados que mais enricam com o tanto sofrê do povo. Ele? Walmir Luma? O Cagarrala da peste! Num valia uma bufa fedorenta! Socô dinheirama no pandulho como se estripulia fosse. Era... Envinha do gunverno, pra mode desagoniá tanto sofrê, mas o peste num tinha coração. Se empanzinô de tanta roubalheira, enricô... Cabra safado, que cabô os restos da vida se morrendo pelas metade. Aos pedaços foi se consumindo, corroído pela grangrena galopeira. Mas sempre tem a bando outra, que o sinhô Deus sempre dá de apunhá contrapeso. Além do padrim Pedro, outros... Ora! Nhá Luzia Alcoforado, mulé de valô e coração leve. Tanto se esbateu pelos pobreem miserê que cabo desfazendo casamento certo... Arrepartiu de cumê e acomodô ror de povo em suas... Esbandaiô fortuna... O diabo, o pió de tudo e não podê s´esquecê daquilo tudo. Dar parte de sonhá acordado com a animalha estrebuchando e os urubus já em riba, espichando as tripas... Mesmo com gente, deu de acontecê. Deus Nos´sinhô sabe o que faz, mas desconfio, arrenego. Ééééé! Avigie, siô moço... Por conta de tanto é que não tem escapulo e este sertãozão é por um todo assombrado. Tem alma por demais esgorgitando sem rumo, pru mode que viveram o inferno em vida. Isso não está nas lei divina... Em eu? Sô. Des menino que sô temente a Deus... Por causi que... Quando a dô é desprecisada e altercada em desmasia, o vivente ´caba descrente D´ele... Parece que os viventes perdem o faro pro vivê. Perdem o riso, mas em antes os dentes. Gastura retada... O que fica é a gastura das alpercatas rompendo a poeira pela vida sem fim.

 

Rating: 2.5/5 (106 votos)

ONLINE
1







Total de visitas: 23973