Criar um Site Grátis Fantástico
A pimenta e a velhinha de Taubaté
A pimenta e a velhinha de Taubaté

Após mais um manifesto popular em fren6te ao Palácio Laranjeiras, o governador do Rio, Sérgio Cabral, declarou que tais fatos eram "uma tentativa de desgaste das forças públicas e das forças policiais preocupante para a democracia". Se o governador estiver se referindo ao vandalismo, talvez ele tenha alguma razão, mas as causas dos atuais atos de violência (nas manifestações populares) estão diretamente vinculadas aos anos e anos de vandalismo (violência) levado a efeito pelo poder público do país.

Entretanto, se o governador estiver efetivamente preocupado com a democracia, na qualidade de homem público que aparenta ser, deveria estar (faz tempo) criticando (e consertando) fatores bem mais “preocupantes para a democracia” e estes fatores, quase em sua totalidade, foram e são produzidos diuturnamente pelo poder público em suas três esferas ditas harmônicas e independentes.

É claro que o governador (por não ser um débil mental) sabe que uma sentença transitada em julgado TEM que ser cumprida, sob pena de solapar a segurança jurídica (um dos pilares da democracia). Sabe também que é função basilar do Estado (principalmente via judiciário) buscar diminuir as tensões sociais e o desconforto (físico e espiritual) da população. Entretanto, o governador nunca abriu a boca para protestar contra o regime dos precatórios (uma excrescência jurídica, política e humana) que é seguramente um instrumento de desrespeito às leis e com potente difusor de tensões sociais. Pelo contrário, sempre usou e abusou deste estado de coisas e sonha que o pagamento dos indigitados precatórios seja estipulado para dia do nunca.

Nunca vi o político Sérgio Cabral se manifestar contra privilégios e privilegiados, o que seguramente esgarça o fundamento da democracia, mas pululam notícias de que ele é viciado nos privilégios que compõem o cardápio seleto dos riquinhos.

Nunca vi uma palavra do governador contra a impunidade que é um câncer para a democracia, mas a realidade nos mostra que ele mesmo está no rol dos impunes (caso um dia venha a ser acusado).

Nunca li declarações do governador externando suas preocupações com o enfraquecimento do regime democrático. Decerto não o fez porque nunca julgou que tantos e quantos atos de iniquidades e sandices cometidos pelo poder público fossem óbices para o bom andamento da democracia. Então, após tantos e tantos anos de vida pública (e cargos no poder), o governador descobriu que manifestações públicas colocam a democracia em risco.

Tais posturas patibulares diante das câmeras e tantos argumentos frouxos despejados nos microfones, executados por inconfiáveis jabarandaias do poder, são mais ameaçadores à democracia do que pode imaginar a vã filosofia acochambrada com as mordomias e arrogâncias dessa república nada republicana.

Ainda bem que, desde criança, conheço o adágio popular de que pimenta, quando nos outros, é refresco.

Rating: 2.5/5 (101 votos)

ONLINE
1







Total de visitas: 23602